21/06/2024 01:17:16

Saúde
01/04/2024 08:00:00

10 fatos sobre o transtorno bipolar

Médica explica sobre como a bipolaridade pode ser confundida com outras doenças mentais


10 fatos sobre o transtorno bipolar

saude.ig.com.br/

O Dia Mundial de Conscientização sobre o Transtorno Bipolar é celebrado em 30 de março. A data evidencia a necessidade de desmistificar o que é, de fato, bipolaridade. Essa é uma condição psiquiátrica que causa mudanças extremas no humor, alternando entre episódios de mania, caracterizados por euforia e pensamento acelerado, e episódios de depressão, que incluem sentimentos de tristeza profunda e falta de energia.

Fatores genéticos, biológicos e ambientais desempenham um papel importante no desenvolvimento do transtorno bipolar . Além disso, o tratamento geralmente envolve uma combinação de medicamentos estabilizadores de humor e terapia para ajudar os pacientes a gerenciarem os sintomas.

Abaixo, a psiquiatra Dra. Jéssica Martani, especialista em comportamento humano e saúde mental, lista 10 fatos sobre o transtorno bipolar que todo mundo precisa saber. Veja!

1. Ação da bipolaridade no cérebro

O transtorno bipolar é uma doença em que algumas áreas do cérebro, como córtex pré-frontal, amígdala, hipocampo, sistema límbico, entre outros, acabam por modular o humor, o impulso, o pensamento e a movimentação. Tais áreas sofrem desregulação, levando a mudanças no comportamento dos pacientes acometidos pela condição.

2. Não é um traço de personalidade

A bipolaridade não possui nenhuma relação com a personalidade ou o caráter do indivíduo. Isso porque é uma desregulação neuroquímica com bases genéticas.

3. Pode ser confundido com outros transtornos mentais 

O transtorno bipolar tipo I (forma clássica que alterna períodos de mania com depressões ou eutimia) é rara, atinge em torno de 1% na população, ao passo que casos do transtorno bipolar tipo II (forma em que predominam depressões e curtos períodos de fase de mania) são bem mais comuns, em torno de 5 a 8%. Em contrapartida, os pacientes com a doença tipo II sofrem com uma média de 10 anos de erro diagnóstico , sendo tratados como depressão clássica com sucessivos tratamentos que podem, inclusive, agravar a condição.

4. Variação de sentimentos 

Uma minoria rara de portadores de transtorno bipolar alterna períodos de tristeza (depressão) com períodos de mania na qual há sensação de felicidade extrema e desproporcional (euforia). A maioria dos pacientes alterna períodos de depressão com períodos de mania caracterizando irritabilidade, podendo ter mais impulsividade, irritabilidade e agressividade.

 

5. Intensidade das crises de humor         

Existem várias intensidades de alteração de humor, desde as mais fortes — que levam o indivíduo a ser internado no hospital (neste caso, pode haver até mesmo alterações de senso de percepção: o indivíduo pode ter psicoses maiores e exposição a riscos, hipersexualidade etc.) — até as bem sutis, em que a pessoa e até seus familiares muitas vezes acreditam ser da personalidade, dada a cronicidade com a qual ocorrem (hipomanias).

6. Diferentes formas de apresentação

Existem formas variadas de apresentação de transtorno bipolar — desde aquelas em que há períodos ou fases marcadas de mudanças de comportamento até aquelas sutis, em que os comportamentos alterados ocorrem por longos períodos, como meses ou anos. É muito importante um bom profissional para distinguir se é um transtorno afetivo bipolar ou transtorno de personalidade borderline, afinal não é incomum a confusão entre esses dois diagnósticos.

7. Sentimento predominante da bipolaridade é a depressão 

Um indivíduo com transtorno bipolar apresenta cerca de 3 vezes mais depressões do que fases de ativação (mania/hipomania). Ou seja, se refere a uma doença depressiva. Qualquer pessoa com mais de 3 episódios de depressão precisa ser investigada para bipolaridade , porque até entre os psiquiatras ainda só se diagnostica transtorno bipolar se o paciente teve um período de mania (tipo 1 da doença). Nesse sentido, há muito desconhecimento sobre formas mais sutis de bipolaridade.

8. É uma das principais causas de suicídio          

A principal causa de suicídios é a depressão do transtorno bipolar (tipo 1 ou 2). Logo, tentativas de suicídio recorrentes aumentam a chance de o diagnóstico correto ser algum tipo de transtorno bipolar — e não depressão clássica.

9. Interação com outras comorbidades 

Quanto mais comorbidades ou outras doenças psiquiátricas (ansiedade, déficit de atenção, uso de drogas, transtornos alimentares, entre outras), maior a chance de o diagnóstico correto se referir à bipolaridade.

10. Intensidade dos sintomas 

Quanto mais ocorrer falta de resposta ao tratamento ou piora da depressão , das ideias de suicídio, das automutilações, da insônia, da ansiedade/pânico ou da irritabilidade com o uso de antidepressivos, maior a chance de o indivíduo ser bipolar, não depressivo.



Enquete
Se a Eleição municipal fosse agora em quem você votaria para prefeito de União dos Palmares?
Total de votos: 383
Notícias Agora
Google News