17/04/2024 18:53:54

Guerra
14/12/2023 00:00:00

Número de mortos em Gaza chega a 18,6 mil; Rússia propõe cúpula de paz

Rússia pediu à ONU para convocar uma "conferência internacional" para resolver a questão palestina


Número de mortos em Gaza chega a 18,6 mil; Rússia propõe cúpula de paz

ubiu para 18.608 o número de mortos nos ataques de Israel à Faixa de Gaza, segundo balanço divulgado nesta quarta-feira (13) pelo Ministério da Saúde do enclave palestino, controlado pelo Hamas.

A maior parte das vítimas do conflito iniciado em 7 de outubro, quando o Hamas cometeu atentados terroristas sem precedentes em Israel, deixando 1,2 mil mortos, é formada por crianças e mulheres, de acordo com as autoridades locais.

Já o número total de soldados israelenses mortos desde o início das operações terrestres em Gaza subiu para 112, após oito militares perderam a vida ontem no norte da região.

Durante a ofensiva, o Exército de Israel identificou e destruiu "uma célula terrorista na área de Shujaia que se preparava para lançar foguetes contra o território israelense".

Hoje, a Rússia pediu à ONU para convocar uma "conferência internacional" para resolver a questão palestina, com a participação dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança, da Liga Árabe, da Organização da Conferência Islâmica e o Conselho de Cooperação do Golfo.

"Espero que o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, seja capaz de tomar tal iniciativa", afirmou o ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, citado pela agência Tass.

O pedido é feito após a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas aprovar a resolução que pede um cessar-fogo humanitário imediato em Gaza, com 153 votos a favor, incluindo o do Brasil, 10 contrário e 23 abstenções, incluindo Itália.

"Sobre a resolução das Nações Unidas relacionada à crise no Oriente Médio, o voto de abstenção da Itália foi extremamente considerado, não é um voto contra: com a abstenção dizemos que partilhamos algumas partes, mas não outras. Continuamos a trabalhar por uma trégua, com foco na população civil de Gaza", explicou a primeira-ministra da Itália, Giorgia Meloni.

Cisjordânia

Paralelamente, a União Europeia se demonstrou favorável à aplicação de sanções contra os "autores dos ataques na Cisjordânia", pois os colonos israelenses "devem ser responsabilizados pelas suas ações".

"O aumento da violência por parte dos colonos extremistas está a infligir um enorme sofrimento aos palestinos. E está a pôr em risco as possibilidades de alcançar uma paz duradoura. Também poderá tornar toda a região mais instável", justificou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, durante discurso no plenário do Parlamento do bloco.

Ela enfatizou que "esta violência não tem nada a ver com a luta contra o Hamas e deve parar" e reforçou "a necessidade de evitar que o conflito se espalhe por toda a região".

Von der Leyen destacou que todos têm assistido "um aumento no número de tiros disparados pelo Hezbollhan pró-iraniano em toda a região. Também temos visto ataques conduzidos pelo Houthis com mísseis balísticos, drones implantados contra Israel e o aumento do número de ataques contra navios mercantes no Mar Vermelho".

"Tudo isso é perigoso. Mas ainda é possível impedir a escalada da situação. Devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para acabar com esta guerra e o reinado do Hamas em Gaza. E devemos fazer tudo para trazer uma nova esperança a estes tempos sombrios", concluiu.

ultimosegundo.ig.com.b



Enquete
Na Eleição de outubro, você votaria nos candidatos da situação ou da oposição?
Total de votos: 27
Notícias Agora
Google News