11/08/2022 12:34:00

Acidente
26/06/2022 10:00:00

Infraestrutura de instituições de educação básica é área que mais sofre com bloqueio de orçamento do MEC, mostra Todos Pela Educação

Bloqueio de R$ 3,6 bilhões da pasta foi decretado pelo presidente Jair Bolsonaro em maio. Na educação básica, verba congelada soma mais de R$ 1 bilhão.


Infraestrutura de instituições de educação básica é área que mais sofre com bloqueio de orçamento do MEC, mostra Todos Pela Educação

O bloqueio de R$ 3,6 bilhões no orçamento do Ministério da Educação (MEC), estipulado em decreto editado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) em 30 de maio, vai afetar ações voltadas à infraestrutura de instituições de educação básica em 2022. É o que mostra uma nota técnica publicada pelo Todos Pela Educação nesta quinta-feira (23).

Pelas contas da entidade, só na educação básica, o bloqueio foi de mais de R$ 1 bilhão, sendo que R$ 817 milhões saíram das despesas discricionárias da área (aquelas que o gestor pode definir como aplicar, como contas de água e telefone, contratos de segurança e manutenção) e R$ 200 milhões, das emendas de relator do Orçamento da União (verba repassada pelo relator a pedido de parlamentares, mas sem justificativas formais).

Do valor bloqueado, proporcionalmente, as ações mais afetadas serão aquelas voltadas ao apoio à infraestrutura da educação básica, como construções, ampliações, reformas de escolas e aquisição de equipamentos. De acordo com o documento, 29% de toda a verba que seria direcionada a estas ações foi bloqueada (cerca de R$ 200 milhões).

Houve o congelamento de parte do orçamento que seria aplicado em ações de apoio ao desenvolvimento da educação básica, bolsas da educação básica, exames e avaliações, livros e materiais didáticos, entre outros.

MEC foi procurado para comentar sobre o impacto do bloqueio orçamentário da pasta, mas não se manifestou até a última atualização desta reportagem.

Verba é gerida pelo FNDE, palco do escândalo do MEC

A verba que seria usada em apoio à educação básica, produção de livros didáticos e aquisição de equipamentos e ônibus escolares é gerida pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), por meio do Plano de Ações Articuladas (PAR).

O órgão, que é responsável por executar políticas educacionais do Ministério da Educação, é palco de uma polêmica que levou à prisão do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e de dois pastores que estariam envolvidos em um esquema para liberação de verbas do pasta. Eles acabaram depois soltos por uma decisão da Justiça.

Segundo revelou o jornal "O Estado de S. Paulo", havia no órgão um "gabinete paralelo" que liberava as verbas discricionárias a municípios por intermédio dos pastores Gilmar Silva e Arilton Moura, que não tinham ligação com o MEC.

De acordo com Milton Ribeiro em áudio obtido pelo jornal "Folha de S. Paulo", o pedido de privilegiar os municípios defendidos pelos pastores havia partido do presidente Jair Bolsonaro.

g1



Enquete
Classifique de 0 a 05 a nota que você dá ao trabalho SAAE de União dos Palmares
Total de votos: 5
Google News