04/07/2022 18:47:33

Especial
02/01/2022 01:00:00

Ainda em meio à pandemia, alagoanos recebem o novo ano em festas familiares e privadas


Ainda em meio à pandemia, alagoanos recebem o novo ano em festas familiares e privadas

Diante do cenário de pandemia ainda enfrentado, vários eventos e festas públicas de Réveillon foram cancelados, principalmente em Alagoas, mantendo em vigor só as festas privadas. Apesar da liberação de festas privadas de réveillon em Maceió, o Ministério Público do Estado de Alagoas (MP-AL) e o setor de eventos firmaram um acordo  para exigência de comprovante de vacinação contra Covid-19 ou teste RT-PCR negativo para entrar nos eventos privados.

Através das redes sociais do Cada Minuto, a maioria dos internautas alagoanos, questionados sobre como passariam a virada do ano, afirmaram que ficaram em casa. Alguns citaram como motivo apresentarem síndromes gripais, falta de dinheiro ou questões de trabalho. Porém, teve que compareceu às festas privadas que ocorreu em Maceió.

O advogado Bruno Araújo relata que passou o Revéillon em uma festa no Litoral Norte da capital. Ele conta que no ano passado optou por se reunir com amigos na casa de um deles, mas, em 2022, decidiu mudar os planos por sentir-se mais seguro. “Com relação a pandemia eu já me sinto confortável, principalmente pela situação de Maceió que está bem positiva”.

Sobre participar de uma festa de grande porte após dois anos de pandemia, ele acredita que foi uma experiência bem diferente. “O convívio social com amigos, apesar de ser bem aguardado, pode ser algo bem diferente e não cumprir com as expectativas criadas em dois anos de pandemia, mas foi ótimo, é o primeiro passo na volta do convívio normal e natural”, declara.

Bruno conta, ainda, que foi para a festa com a namorada e um grupo de amigos. “Escolhi essa opção porque o público e as opções musicais são as mais compatíveis comigo”.

Já a estudante Nathalia Louise relata que após dois anos de pandemia essa foi a primeira vez que comemorou a virada em um evento de réveillon. “Fui para estar com meus amigos ouvindo artistas que eu admiro. Todos os que cantaram lá eu já conheço e sempre quis ir pra o show, como meus amigos decidiram ir, considerei essa opção”, explica.

A estudante conta que passou o réveillon do ano passado em casa com a família nuclear vendo filmes. “Fizemos um jantar e uns drinks, rompemos o ano vendo animações da Disney”.

Nathalia conta que participou da festa privada de réveillon por estar com o ciclo vacinal completo, em ambiente aberto e usando máscara pff2.

“Quando não estava bebendo evitava ficar na muvuca e me deixou mais tranquila, da aquela sensação de segurança, sabe?”, relata.

Para ela é bem diferente ir pra festa agora comparado a antes da pandemia. Ela diz que antes ia, abraçava os conhecidos e curtia sem muitas preocupações. Já agora só vai se for em ambientes aberto e se exige o ciclo vacinal completo.

Cada Minuto



Enquete
Se posicione a favor ou contra o uso da macanha mesmo para fins medicinais
Total de votos: 97
Google News